Quarta, 23 de Junho de 2021
(47) 98909-6266
Dólar comercial R$ 4,97 0.14%
Euro R$ 5,93 +0.03%
Peso Argentino R$ 0,05 -0.01%
Bitcoin R$ 175.696,94 +2.184%
Bovespa 128.346,85 pontos -0.33%
Economia Quirino Ribeiro

A Reforma Tributária

Ministro da Economia defende ser a única forma de equilibrar as ações das instâncias de poder.

18/05/2021 10h19 Atualizada há 1 mês
Por: Redação
A Reforma Tributária

REFORMA TRIBUTÁRIA 
Pode equilibrar a distribuição de recursos, concentrados nas mãos da União e dos estados, deixando prefeitos à mercê da boa vontade da burocracia e da política. O Ministro da Economia, Paulo Guedes, ao avaliar as consequências da reforma tributária, fez uma enfática defesa do Pacto Federativo, por entender ser a única forma de equilibrar as ações das instâncias de poder.

“MAIS BRASIL, MENOS BRASILIA”
Repetiu o mantra de campanha, para destacar que tudo acontece nos municípios, o que leva, necessariamente, a dar prioridade aos prefeitos, hoje sufocados pela ausência de repasses e com problemas de toda ordem. Hoje, a União e os estados, pela ordem, ficam com a maior parcela da arrecadação, enquanto as prefeituras, que gerenciam diretamente a vida da população, ficam com a menor parte. Muitas regiões, nas quais não há sequer indústrias, vivem à custa do Fundo de Participação, cuja receita depende do próprio momento econômico.

O TEXTO DA REFORMA TRIBUTÁRIA
Apresentado pelo relator, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), prevê a criação de um imposto sobre o consumo que possa substituir tributos federais, estaduais e municipais, unificando entre cinco a nove tributos. De acordo com o economista e tributarista Luiz Carlos Hauly, se criado apenas um imposto na base de consumo, trará simplificação e o país terá um ganho extraordinário entre as empresas brasileiras e competitividade com o resto do mundo.

 

“O BRASIL VAI MELHORAR A ECONOMIA”
“Vai passar a crescer mais. Vai passar a gerar mais empregos. Consequentemente, mais renda, mais salários e reinaugura um círculo virtuoso de renda/consumo. Então, os ganhos serão muitos para o setor produtivo, ganhos para os trabalhadores, ganhos para a economia como um todo, que passará a crescer novamente”, disse o tributarista.

 

ELE LEMBRA
Que se a proposta for aprovada do jeito que foi apresentada pelo relator, haverá redução das tributações e a diminuição na taxação da folha de pagamento. “O Brasil vai ganhar muito. As empresas terão alíquotas menores, consequentemente os preços de bens e serviços terão reduzidos os seus preços de uma forma global. Nós temos mais ou menos um milhão de itens que são tributáveis de impostos pela base de consumo”.

ESTE TEXTO DA REFORMA
Se votada e aprovada, a tentação de sonegar impostos será reduzida e o consumidor na hora de comprar não será penalizado com os preços altos, devido às cobranças de tantos impostos. “Como terá um imposto só, nós vamos ficar livres da inadimplência que carrega um sobre preço de R$ 300 bilhões por ano. Vamos ficar livres da renúncia fiscal e da guerra fiscal que custam outros R$ 300 bilhões por ano. E vamos diminuir o custo declaratório em R$ 50 bilhões. Então, teremos um ganho de mais de meio trilhão de reais por ano, que sairão das costas dos custos dos preços relativos e consequentemente sairá esse peso das costas dos consumidores brasileiros, mantendo a mesma arrecadação”.

DE ACORDO COM O TRIBUTARISTA
Hoje em dia quem sofre são as pessoas que ganham os menores salários, pois é ele que mais paga impostos embutidos nos preços dos gêneros de primeira necessidade, como os alimentos. “Como os que ganham menos é a maioria da população, os que ganham 1 salário, 2, 3, 4, 5, todos são ganhos proporcionais, melhorando o seu poder de compra com uma diminuição, com a simplificação dos impostos, por eliminação do que nós chamamos de gorduras trans, embutidas nos preços”.

QUANDO VOCÊ DÁ UM INCENTIVO FISCAL
Para uma empresa, esse incentivo é dado para a empresa e não para o consumidor. Então, esse incentivo acaba ficando no preço. Quando a empresa declara que vai pagar o imposto e não paga, esse imposto está embutido no preço, mas não foi arrecadado.

TRIBUTARISTA LUIZ CARLOS HAULY
Complementa que é preciso votar esta reforma Tributária para que haja uma nova era no país, um tempo de crescimento econômico e prosperidade, podendo gerar mais empregos aos brasileiros. Ela destaca a relevância desta reforma Tributária. Por isto, ela é conhecida como a mãe das reformas.

ELA É A MAIS IMPORTANTE ESCRITURA ECONÔMICA
“Em qualquer país do mundo, é a escritura tributária que o Brasil tem o pior sistema tributário do mundo. Em 190 países, o Brasil está em 184º lugar, o pior lugar do mundo. Ao consertar o sistema, o Brasil vai ficar entre os 10 melhores sistemas do mundo, eliminando, por ano, mais de sete por cento do PIB de impostos que são embutidos nos preços”. O Presidente da Comissão mista da Reforma, Tributária, senador Roberto Rocha (PSDB-MA), disse que essa foi a última reunião e que as propostas estão à disposição dos deputados e senadores.

 

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Quirino Ribeiro
Sobre Quirino Ribeiro
Comentários e informações sobre política e economia de Santa Catarina
Brusque - SC
Atualizado às 15h56 - Fonte: Climatempo
21°
Muitas nuvens

Mín. 14° Máx. 21°

21° Sensação
11.6 km/h Vento
66.8% Umidade do ar
0% (0mm) Chance de chuva
Amanhã (24/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 15° Máx. 22°

Sol com muitas nuvens
Sexta (25/06)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 14° Máx. 25°

Sol e Chuva
Ele1 - Criar site de notícias