Domingo, 05 de Dezembro de 2021
30°

Pancada de chuva

Brusque - SC

Saúde Nutrição

Refrigerante

Porque é tão difícil parar?

07/01/2021 às 10h16
Por: Ana Carolina Loos
Compartilhe:
Refrigerante

Calorias vazias, excesso de corantes e conservantes, açúcar em abundância… certamente, esses argumentos já foram amplamente explorados pela ciência e pela mídia, alertando sobre o consumo exagerado de refrigerantes. No entanto, mesmo com todos estes sinais, por que as pessoas insistem em consumi-los?

 

Estratégias de marketing e a veiculação de propagandas, sobretudo, em televisões, consistem em mecanismos envolvidos no aumento do consumo de bebidas açucaradas que, por sua vez, refletem-se no ganho excessivo de peso e desenvolvimento de doenças crônicas. Semelhante ao ciclo “consumo de drogas, recuperação e recaída”, a ingestão de refrigerantes e demais bebidas relacionadas está vinculada ao que denominamos reflexo condicionado. 

 

O reflexo condicionado inclui uma série de processos de memória que se relaciona ao ato de consumir ou vivenciar uma situação, ao ambiente propício e aos efeitos/sentimentos proporcionados pelo ato em si; ainda, tal reflexo controla o “querer” e o “prazer”. De forma análoga, o consumo de refrigerantes envolve o reflexo “vejo – lembro – quero ansiosamente – me sinto recompensado momentaneamente”, contribuindo para que pessoas mais suscetíveis aumentem o consumo, buscando uma experiência já vivenciada. Substâncias presentes no refrigerante, como cafeína e xantinas, podem causar aumento dos batimentos cardíacos e da temperatura corporal, elevar a atividade renal e a produção de suco gástrico, além de interferir na percepção de fome e sono, sensações essas que se assemelham ao uso de substâncias psicoativas. 

 

Além disso, alimentos hiperpalatáveis acessíveis estimulam as pessoas a encontrarem, nos refrigerantes, prazer e conveniência mais facilmente. Tal hedonismo incentiva o consumo calórico que, por sua vez, reflete-se nas altas taxas de sobrepeso/obesidade mundiais. Embora pouco se saiba sobre como os mecanismos de prazer afetem o consumo alimentar, esse comportamento conseguiu ser bem explorado pelas perspicazes indústrias de alimentos e suas mídias a fim de fidelizar clientes e expandir o consumo de seus produtos nutricionalmente pobres. Quem perde é o consumidor que se vê atrelado à ingestão compulsiva de uma bebida “deliciosamente” viciante.

 

Nutricionista Ana Carolina Loos Duarte

CRN10 6649

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ana Carolina Loos
Ana Carolina Loos
Sobre Saúde, dicas de alimentação e qualidade de vida, com a nutricionista Ana Carolina Loos.
Brusque - SC Atualizado às 14h01 - Fonte: ClimaTempo
30°
Pancada de chuva

Mín. 19° Máx. 30°

Seg 27°C 19°C
Ter 28°C 18°C
Qua 29°C 16°C
Qui 28°C 17°C
Sex 31°C 19°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Ele1 - Criar site de notícias