Home / Policia / Jovem que danificou prédio da Prefeitura de Guabiruba passa por tratamento psiquiátrico

Jovem que danificou prédio da Prefeitura de Guabiruba passa por tratamento psiquiátrico

O jovem de 23 anos que morava na rua nos últimos três meses foi internado no Instituto de Psiquiatria de Santa Catarina (IPQ) na cidade de São José na sexta-feira, 11. Ele havia depredado o prédio da Prefeitura de Guabiruba na quarta-feira, 9, e após detido e encaminhado para a Unidade Prisional Avançada (UPA) foi solto por determinação judicial voltando para as ruas do município, em especial para a Praça Theodoro Debatin, no Centro, onde passava a maior parte do seu tempo.

Na decisão judicial de quinta-feira, 10, o juiz Heriberto Max Dittrich Schmitt argumentou não estarem reunidos “fundamentos que possam legitimar a decretação da prisão cautelar”, pois o caso não retrataria “risco ao meio social, à instrução criminal ou à aplicação da lei penal, de sorte que o caminho a ser seguido é o da sua liberdade provisória”.

Diante disso, a Prefeitura, por meio das secretarias de Saúde, Assistência Social e Administração, reuniu-se com seus profissionais da saúde, assessoria jurídica e com a mãe do jovem para verificar a conduta a ser adotada, visto que as várias intervenções realizadas entre os meses de fevereiro e maio, como consulta psiquiátrica (uso de medicações), atendimento odontológico e hospitalar, encontros do jovem com a família, possibilidade de emprego e moradia, entre outras ações, não resultaram em êxito. A dificuldade encontrada com o jovem desde o início, foi sua recusa em aceitar qualquer intervenção/acompanhamento, inclusive o uso da medicação.

A mãe do jovem também auxiliou o mesmo para sair da rua e retomar seu tratamento e o uso das medicações, porém todas tentativas sem sucesso. A Secretaria de Assistência Social acompanhava o caso juntamente com a Secretaria de Saúde, realizando atendimentos ao jovem em ambientes de saúde e também na praça onde o mesmo se encontrava. Após conversas conseguiu-se encaminhar o jovem para uma avaliação com o médico psiquiatra o qual indicou internação involuntária. O jovem se encontrava em uma situação não só de saúde mental mais sim em uma vulnerabilidade biopsicossocial.

A psicóloga da rede municipal de saúde Mônica Colombi, psicóloga especialista em psicologia clínica explica que a internação psiquiátrica somente é realizada mediante laudo médico circunstanciado que caracterize os seus motivos. “Existem três tipos de internação psiquiátrica. A internação voluntária, aquela que se dá com o consentimento do usuário; a internação involuntária, que ocorre sem o consentimento do usuário e a pedido de terceiro; e a internação compulsória, que é aquela determinada pela Justiça”.

A psicóloga reforça ainda que toda e qualquer internação psiquiátrica só é executada diante de indicação médica, de critérios clínicos e após esgotamento de intervenções extra- hospitalares. E que a internação é o último recurso a ser executado, sendo que a mesma não é a solução definitiva para o caso. “A internação psiquiátrica tem como objetivo a estabilização do quadro psiquiátrico, que geralmente não é de longo prazo e varia de pessoa para pessoa. O hospital realizará a alta e encaminhará o paciente para dar sequência no tratamento no município”, destaca.

Internação envolveu diversos órgãos

Para a internação na sexta-feira houve o envolvimento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), Corpo de Bombeiro, Polícia Militar, além de profissionais da saúde da prefeitura. O prefeito em exercício, Valmir Zirke, destaca o trabalho em equipe e conjunto na condução do caso. “O paciente foi para o Hospital de Azambuja com o SAMU e houve o encaminhamento psiquiátrico solicitando a internação involuntária com a autorização e presença da sua mãe, que acompanhou sua transferência para o IPQ feita pela Secretaria de Saúde com o suporte do Hospital de Azambuja”, ressalta Zirke. Ele também evidencia a cautela e cuidado na execução da internação, as Secretarias de Assistência Social e Saúde permanecerão acompanhando o caso.

Segundo a mãe do jovem, o mesmo possui histórico de internações psiquiátricas involuntárias e acompanhamentos de saúde mental em diversos municípios. Em todos, após a estabilização do quadro psiquiátrico, o jovem suspendia o acompanhamento e o uso das medicações. “O desafio é conseguir com que ele continue com o tratamento após a alta do IPQ”, pontua a psicóloga Mônica.

Veja Também

Após acidente, homem é detido por dirigir embriagado

Um acidente na tarde deste domingo (15) mobilizou a Polícia Militar e o Corpo de ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.